18 mai 2016
maio 18, 2016

Crise afeta setor da saúde

0 Comment

Por Dr. Raimundo Correia – Presidente do Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do Estado da Bahia

A crise política que vive o país tem provocado grandes reflexos na economia brasileira, praticamente em todos os setores. Segundo dados do IBGE, o número de desempregados no país chegou à casa dos 11,089 milhões de pessoas.

Esse dado impacta diretamente no setor  da saúde, especialmente nos estabelecimentos  privados. Hoje, conforme dados da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), 66,6% da cobertura médica privada tem origem nos planos coletivos empresariais. No mês de dezembro de 2014, 33,5 milhões de pessoas utilizavam a saúde suplementar nesta modalidade. Um ano depois, esse número reduziu-se para 33,1 milhões.

Pode-se acrescentar a este cenário o problema com as glosas (redutor de faturamento aplicado unilateralmente pelas operadoras de planos de saúde), a pesada carga tributária que atinge o setor, o subfaturamento da saúde e a falta de reajuste nas tabelas das operadoras de planos de saúde – que complicam ainda mais a situação. Diante disso, empresários da área estão buscando soluções para as negociações sindicais coletivas de 2016.

As pautas apresentadas pelos sindicatos laborais indicam proposta de reajuste entre 9% e 21%, acrescidos de novos pisos salariais. Diante do cenário econômico, político e social constitui-se um óbice momentâneo intransponível a hipótese de reajuste salarial normativo, mesmo no patamar insinuado por alguns sindicatos laborais que é o INPC.

O mais importante neste momento é proteger os serviços de saúde do Estado. É necessário utilizar da criatividade para encontrar saídas, neste momento sombrio. Para tanto, já iniciamos as negociações com os sindicatos dos trabalhadores em santas casas, entidades filantrópicas, beneficentes e religiosas e em estabelecimentos de serviços de saúde do estado da Bahia – Sindsaúde; dos/as psicólogos/as (Sinpsi-BA); e dos nutricionistas
(Sindnut).

Fonte: Jornal A Tarde – 17.05.2016